(411) – SE… – II

SE…  2

MANIFESTAÇÃO! Que é manifestação? O dicionário diz que é tornar público o que estava oculto. Manifestação de uma idéia. Manifestação pública de um sentimento. Manifestação é o contrário de oculto. Andar de maneira manifesta, isto é, claramente. Revelar-se; fazer-se conhecer. Um manifesto é um escrito público, no qual um soberano expõe a situação política ou financeira do país, que era desconhecida do povo.

Para que Jesus Cristo desceu a este mundo? Desceu para manifestar, isto é, tornar pública a natureza de Deus Pai; desceu para revelar aos homens a verdade; desceu para revelar o plano eterno de Deus para os homens; desceu para trazer luz sobre o mistério da fé (I Tm. 3:9), e do mistério do evangelho(Ef. 6:19). Entremos mais fundo no assunto:

  • O apóstolo João diz: “Quem comete o pecado é do diabo; porque o diabo peca desde o princípio. Para isto o Filho de Deus se manifestou: para desfazer as obras do diabo” (I Jo. 3:8). Isto quer dizer que o diabo nunca foi combatido por Deus, pois para esse fim Cristo se manifestou. Ora, se Cristo se manifestou para desfazer as obras do diabo, e se Jeová é Jesus, e se manifestou antes de Jesus encarnar (Jo. 1:14), por que Jeová não destruiu as obras do diabo? Jesus tem dois comportamentos? Quando o povo era menos evoluído e mais necessitado, deixou o diabo livre para destruir a obra de Deus, e depois que o povo evoluiu e se tornou mais intelectual, tirou o poder do diabo? (Tg. 4:7). E o que é pior: Se Jeová é Jesus, por que concordou com o diabo na prática do mal contra Jó? Satanás incitou Jeová (que dizem ser Jesus), para provar Jó em tudo o que tinha, afirmando que Jó iria blasfemar (Jó 1:6-11). Jeová então disse: “Eis que tudo quanto tem está na tua mão” (Jó 1:12). É incrível, é fantástico, ou melhor, é infernal. Jeová concordou com Satanás no Velho Testamento, e no Novo Testamento se manifestou para desfazer as obras que concordava? E quando Satanás quis fazer com Pedro o que fez com Jó, Jesus não permitiu? (Lc. 22:31-32). Mas Cristo não muda de comportamento, como está escrito: “Jesus Cristo é o mesmo ontem, e hoje, e eternamente” (Hb. 13:8).
  • Se Cristo, ao ser três vezes tentado por Satanás, repreendeu-o (Lc. 4:1-13), por que no Velho Testamento trabalhavam juntos e em comum acordo? A ira de Jeová se tornou a acender contra Israel, e incitou Davi a numerar o povo (II Sm. 24:1). No livro de Crônicas de Israel, o fato é repetido com as seguintes palavras: “Então Satanás se levantou contra Israel, e incitou Davi a numerar a Israel” (I Cr. 21:1). Se foi Jeová, por que depois está escrito que foi Satanás? E se foi Satanás, por que está escrito que foi Jeová? O que um faz, o outro faz igualmente. Os dois têm o mesmo propósito. Se Jeová é Jesus, Jesus e Satanás trabalhavam de comum acordo? Mas João declara que Jesus se manifestou para destruir as obras do diabo. Lá no Velho Testamento, a ira de Jeová, ou como diz a teologia, a ira de Jesus se acendeu contra Israel, e junto com Satanás incitou Davi a numerar a Israel. Davi, obediente a Jeová, numerou o povo, e por castigo Jeová, isto é, Jesus, matou setenta mil israelitas inocentes (I Cr. 21:9-14). Mas Jesus declarou que não veio a este mundo para destruir as almas dos homens, como Jeová fazia (Lc. 9:51-56). Mas se Jesus é Jeová, foi ele que matou os setenta mil. Davi clama a Jesus, já que ele é Jeová, e diz: Não sou eu que mandei numerar o povo? Estas ovelhas são inocentes, nada fizeram. Seja a tua mão contra mim e contra a casa de meu pai. E o anjo estava com a espada desembainhada para destruir Jerusalém. Então o anjo de Jesus, isto é, de Jeová, mandou dizer a Davi que levantasse um altar na eira de Ornã, o jebuseu. Davi comprou a terra, edificou o altar, e ofereceu nele holocaustos e sacrifícios pacíficos, e invocou o nome de Jeová, isto é, de Jesus. E Jesus, isto é, Jeová, deu ordem ao anjo, e ele meteu na bainha a espada com a qual ia destruir Jerusalém

(I Cr. 21:17-27).

O angu de caroço está no fato seguinte: No Novo Testamento está escrito: “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie” (Ef.2:8, 9). No Novo Testamento tudo o que o cristão quer fazer, pede em nome de Cristo, e Jesus mesmo o faz, para que o Pai seja glorificado no Filho (Jo. 14:13). No caso de Davi, foi-lhe pedido por Jesus para edificar um altar e oferecer holocaustos, e depois que Davi fez, o anjo guardou a espada. O que aplacou a ira de Jesus, isto é, de Jeová, foi o sacrifício oferecido por Davi, ou melhor, o mérito foi de Davi em contraposição a Ef. 2:8-9. Isto quer dizer que Jesus tinha duas naturezas.

Se Jesus é o Jeová do Velho Testamento, antes de nascer em carne, era ira (Sl. 7:11), era furor destruidor (Ex. 32:10). Era vingativo, e guardava ira dos inimigos para sempre (Na. 1:2). Era destruidor das almas (Gn.6:7). Assolava os povos (Is. 13:6-9). Oprimia o próprio povo (Sl. 106:41-42; Dt. 28:29).Atormentava o seu povo (Lv. 26:16). Vigiava o mal e não o bem (Jr. 21:10, 44:27). No Novo Testamento Jesus mostra que não é iracundo nem vingativo; não oprime nem destrói ninguém; não atormenta. Outrossim, só cura; só liberta; só santifica; só vivifica; só consola; só regenera; só purifica; só salva; só perdoa. Glória a Jesus Cristo!

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta