(293) – DRAGÃO – V

DRAGÃO 5

 

Como vimos no estudo “Dragão IV”, José, filho de Jacó, sendo obediente, fiel, virtuoso, puro e santo, foi usado por Jeová para levar sua família ao Egito, pensando que estava fazendo o maior bem, mas não sabia que os levava para uma escola de corrupção moral e espiritual, e também para uma cruel escravidão sob o tacão do Faraó seguinte. Sobre a corrupção moral o texto bíblico diz o seguinte: “E as impudicícias que trouxe do Egito, não as deixou; porque com ela se deitaram na sua mocidade, e eles apalparam os seios da sua virgindade, e derramaram sobre ela a sua impudicícia”. (Ez. 23: 8). “Ela multiplicou, todavia as suas prostituições, lembrando-se dos dias da sua mocidade, em que se prostituíra na terra do Egito”. (Ez. 23: 19). E Isaías diz: “Nem tu as ouviste, nem tu as conheceste, nem tampouco desde então foi aberto o teu ouvido, porque eu sabia que obrarias muito perfidamente, e que eras prevaricador desde o ventre”. (Is. 48: 8). Quem lê este texto pensa que o povo era mau e Jeová estava buscando educa-lo, mas não era assim. Vejamos: “Assim diz Jeová, que te criou e te formou desde o ventre”. (Is. 44: 2). “Assim diz Jeová, o teu redentor, e que te formou desde o ventre: Eu sou Jeová, que faço todas as coisas”. (Is. 44: 24). O povo de Israel tinha consciência de que Jeová foi o autor da sua decadência, pois Isaías disse:“POR QUE, Ó JEOVÁ, NOS FAZES DESVIAR DOS TEUS CAMINHOS?  POR QUE ENDURECES O NOSSO CORAÇÃO, PARA QUE NÃO TEMAMOS? FAZE VOLTAR, POR AMOR DOS TEUS SERVOS, AS TRIBOS DA TUA HERANÇA”. (Is. 63: 17). É Jeová, o oleiro que fabricou os vasos de desonra para a perdição, respondeu dizendo: “Pelo que também eu procederei com furor; o meu olho não poupará, nem terei piedade. Ainda que me gritem aos ouvidos com grande voz, eu não os ouvirei”. (Ez. 8: 18 e Rom. 9: 21, 22).

Quanto ao jugo da cruel escravidão, o texto bíblico diz: “Depois, levantou-se um novo rei sobre o Egito, que não conhecera José”. (Ex. 1: 8). Este novo Faraó, vendo o povo de Israel se multiplicar, e temendo pelo futuro, fez duas coisas. Impôs uma dura servidão para os afligir, pois edificaram à Faraó cidades de tesouros, Pitom e Ramesses. E fez amargar a vida dos israelitas com pesados tributos. A segunda coisa, foi mandar matar os filhos machos, para evitar a multiplicação. (Ex. 1: 9 a 22). Somente um menino escapou, pois foi colocado numa cesta de juncos betumada, no rio Nilo. A filha de Faraó indo lavar-se no rio, achou o menino, e movida de compaixão, adotou-o, e deu-lhe o nome de Moisés. O menino, segundo a ordem da filha de Faraó, foi criado pela própria mãe, como pajem. (Ex. 2: 1 a 10). E Moisés foi adotado como filho da filha de Faraó, e foi instruído em toda a ciência dos egípcios. (At. 7: 21,22). Tendo já quarenta anos, viu um egípcio ferindo um varão hebreu do seu povo, e Moisés matou o egípcio. Sendo descoberto o crime, Moisés fugiu de diante da face de Faraó, que decidiu mata-lo. (Ex. 2: 11 a 15). Chegando da terra de Mídiã, Moisés conheceu as sete filhas de Reuel, sacerdote de Mídiã, que deu-lhe sua filha Zípora por mulher. (Ex. 2: 15 a 21). Passaram-se quarenta anos. Moisés agora estava com oitenta anos e apascentava o rebanho do seu sogro em Horebe; e eis que viu uma sarça em fogo que não se consumia. Chegando para ver, o anjo de Jeová o chamou, e Jeová se apresentou, nomeando-o para libertar Israel da escravidão. Moisés perguntou: Se me perguntarem, dizendo: Quem te enviou, que direi? Jeová lhe disse: “Eu serei me enviou”. Nas bíblias, está escrito EU SOU ME ENVIOU, mas no hebraico está escrito. EU SEREI. Moisés então disse: Eles não vão crer em mim. (Ex. 3: 1 a 15). Jeová lhe disse: Que é o que tens na mão? E ele disse: Uma vara. E ele disse: Lança-a na terra. E Moisés lançou na terra e tornou-se em cobra, e Moisés fugia dela. Jeová disse: Estende a mão e pega pelo rabo. E a serpente voltou a ser vara na mão de Moisés. E Jeová mandou Moisés enfiar a mão no seio. E tirando-a estava leprosa. Depois, tornando a meter a mão no seio ficou curado. (Ex. 4: 1 a 7). Moisés e Arão entraram diante de Faraó e ordenaram que libertasse o povo, para adorar Jeová no deserto. Diante da negativa de Faraó,deu ordem, e Arão lançou a sua vara diante de Faraó e seus servos, e ela se transformou em dragão. Os magos do Egito também lançaram suas varas na terra, e se transformaram em dragões. (Tanin). E o dragão de Arão tragou os dragões de Faraó e seus feiticeiros. (Ex. 7: 7 a 13).

Os leitores devem estar espantados, pois nas bíblias está escrito que as varas se tornaram em serpentes. Em Gênesis 3: 1, está escrito serpente, que em Hebraico é NAACH. Em Num. 21: 4 a 9, está escrito NAACHIM SERAFIM(Serpentes dos serafins). Esses mesmos Serafins estavam sobre o trono de Jeová em Isaías 6: 1,2. Mas em Ex. 7: 10, 11 está escrito dragão. (Tan, no plural Tanin).

A vara de Moisés era também o dragão, o satanás. Moisés tinha na mão o poder do dragão, mas está escrito que a vara era de deus. (Ex. 4:20 e Ex. 17: 9). Quem guardava essa vara, ou dragão era Jeová. Em Num. 20: 9 está escrito: “E Moisés tomou a vara de diante de Jeová como lhe tinha ordenado”. Acontece que Faraó também é dragão. “Eis-me contra ti Faraó, grande dragão”.  No hebraico “Tanin Gadol”. Como uma vara é  dragão, satanás é também dragão. Sendo a vara de Jeová, o dragão, ou satã, é o poder através do qual Jeová opera o mal e as  pragas, as pestes, as guerras, as mortandades. Quem lê a história de Balaão, nos capítulos 22 a 24 do livro de números, vai ler que o anjo de Jeová se pôs em frente a Balaão como adversário, mas no hebraico está escrito satanás, cuja tradução é adversário. (Num. 22: 22 e 22: 32). Se o anjo de Jeová se torna em satanás, se tornou em dragão ou serpente, como lemos em Ap. 12: 9.

E Jeová levou Jacó e seus filhos, ao todo sessenta e seis almas, que se multiplicaram no Egito, formando a nação de Israel, aproximadamente um milhão e meio de pessoas que se corromperam e foram condenadas por Jeová. (Judas 5). Mas, terminemos o assunto do dragão. Quem transformou a água em sangue no Egito? (Ex. 7: 19 a 22). Briga de dragões. Quem encheu o Egito de rãs? O dragão Ex. 8: 6,7. Briga de dragões. Quem encheu de piolhos o Egito? O dragão, porém os magos do Egito não puderam fazer; então o dragão de Moisés começou a tragar os dragões do Egito. (Ex. 8: 17 a 19). E a praga das moscas? Desta vez não foi a vara (dragão), mas o próprio Jeová. (Ex. 8: 24). A praga da peste também foi Jeová. (Ex. 9: 6). Afinal, a vara era de Jeová, e a vara se transformava em dragão. Tudo o que o dragão faz, Jeová faz igualmente. No caso de Jó, Jeová usou o dragão para tentar destrui-lo. No caso de Israel também. (Amós 9: 3).

COM JESUS É DIFERENTE, ELE DESTROI AS OBRAS DO DRAGÃO. (1 JÕ 3: 8). E DÁ PODER AO CRISTÃO PARA PISAR O DRAGÃO E VENCE-LO. (RM. 16: 20 E AP. 12: 9 A 11).

 

Autoria: Pastor Olavo Silveira Pereira

Deixe uma resposta